Feminina-Mente forte

Minha tese não se baseia em nenhuma teoria comprovada. Minha proposição é sustentada na experiência de ser uma mulher e de escutar mulheres e homens diariamente. Por isso, não levem esse tema como uma afronta, uma verdade incontestável, uma defesa em nome de...

Seria muito bom…

“Já que colocam fotos de gente morta nos maços de cigarros, por que não colocar também de gente obesa em pacotes de batata frita, de animais torturados nos cosméticos, de acidentes de trânsito nas garrafas e latas de bebidas alcoólicas, de gente sem teto nas...

Viva a morte de cada dia

Num artigo muito interessante, Paulo Angelim que é arquiteto, pós-graduado em Marketing dizia mais ou menos o seguinte: Nós estamos acostumados a ligar a palavra morte apenas à ausência de vida e isso é um erro. Existem outros tipos de morte e nós precisamos morrer...

Reflexão dominical

Reflexão Dominical “Mais um dia de domingo que antecede a segunda que, na verdade é a primeira da semana… Primeira oportunidade de fazer o certo, novas escolhas, decisões importantes, ação com direção… Final de domingo que me traz a vontade de...

O valioso tempo dos maduros

O valioso tempo dos maduros Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora. Tenho muito mais passado do que futuro. Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas… As primeiras, ele chupou...

Devaneios contraditos

Desejo e razão: briga constante no meu coração. Por um lado, o consciente aponta todos os motivos que me levam a não dever querer. Por outro lado, aquele destemido inconsciente faz arder em meu coração o desejar… Desejo sem nome, nome sem dono, dono sem rumo,...

Apenas uma reflexão

Até quando vamos negar a realidade com ela é? Até quando vamos lutar contra o que faz parte da vida? Não venho defender nada além do factual que nos invade… Está na hora de encarar as coisas e tentar lidar de uma vez por todas com o que existe no mundo. Tenho...

Escrito por Cristina Hahn

Confesso que desde pequena tinha a mania de escrever… Escrevia por qualquer motivo: por que queria falar para eu ler, porque queria que outros lessem, porque queria extravasar meus sentimentos e minhas emoções, porque queria expressar o que nos gestos e na fala...